Feedback
Fique por dentro 3 minutes 22 Maio 2020

Um cantinho verde em casa

Mesmo morando em apartamento, é possível cultivar sua própria hortinha e ter sempre temperos e hortaliças fresquinhos à mão

garden

O segredo de um bom prato começa bem antes do seu preparo. Tem início na seleção dos melhores ingredientes que deixam tudo muito mais gostoso. Melhor ainda se forem fresquinhos, de preferência colhidos na hora em que forem usados. Então, por que não ter sua própria horta em casa? A boa notícia é que dá para cultivar temperos e hortaliças mesmo em pequenos apartamentos.

Ter seus próprios vasinhos de tempero, perto da janela ou na varanda, pode ser, inclusive, uma atividade gostosa na rotina, ainda mais nesses tempos de isolamento. Dedicar-se a uma planta e mexer na terra é algo prazeroso e nos conecta com a natureza!

Cultivar seus próprios temperos também significa menos desperdício. Com a planta na terra, é possível colher apenas o que vai usar naquele momento, sempre precisar comprar uma maço inteiro que, muitas vezes, acaba estragando.

Outra grande vantagem é a certeza da pureza do ingrediente, produzido sem agrotóxicos. Afinal, foi você mesmo que cultivou, com muito amor e cuidado!

O chef Cesar Costa sabe bem da importância da qualidade dos ingredientes e de aproveitá-los inteiramente - tanto que seu Corrutela, em São Paulo, é exemplo de sustentabilidade. Há pouco tempo, Costa se mudou para uma casa com um grande jardim. “A ideia é fazer uma horta grande e até uma mini agrofloresta”, conta. Os produtos da horta podem parar da mesa do Corrutela? “Por enquanto, vai ser uma horta apenas caseira”.

Alecrim, cebolinha e salsinha, hortelã, tomilho e capuchinha são algumas das hortaliças que Costa pensa em cultivar.

Cafira Foz, do Fitó, também é defensora dos temperinhos de casa. “Vasinho de manjericão, por exemplo, é super fácil de achar. Aí, é só ir cuidando e mudá-lo para um vaso maior à medida que for crescendo”, aconselha. Ela também gosta de cuidar de coentro, que pede um vaso maior para crescer, desde o começo.

Confira, abaixo, dicas para o cultivo dos temperos e hortaliças e como usá-los na cozinha de casa.


Alecrim 

Dicas: É possível usá-lo inteiro: desde o galho até as folhas. O alecrim precisa ficar no sol, mas é pouco exigente em relação ao solo. Outra vantagem é que ele é praticamente imune a pragas de jardim. Outra dica valiosa: se quiser aumentar o alecrim, é só plantar um galho para criar uma nova muda.

Uso na cozinha: Tempero de carnes variadas (como carne branca, bovina ou de carneiro). Como pode ir no forno, vai bem em assados. O sabor é bem predominante, então precisa ser usado com sabedoria.


Cebolinha e salsinha

Dicas: É a dupla mais conhecida do Brasil, o famoso cheiro verde! As duas gostam de sol e aceitam um pouco de sombra. Fáceis de cultivar, mão precisam de um solo rico e nem de regas muito constantes - regar só três vezes por semana já basta. E nada de desperdício: você pode picar e congelar cebolinha e salsinha para usar quando quiser.

Uso na cozinha: Muito versáteis, elas podem temperar feijão, arroz, carnes. “São duas das ervas mais utilizadas no Brasil e elas dão uma forte característica forte à culinária brasileira”, diz Costa. “Dá até para grelhar a cebolinha e servi-la como guarnição”.


Hortelã

Dicas: Use, principalmente, folhas e flores. A hortelã gosta bastante de água, mas não exige um solo muito trabalhado. Para planta, é fácil: compre hortelã no mercado, corte um raminho e enraize na terra.

Uso na cozinha: Com um perfume inconfundível, a hortelã pode ser usada em chás, saladas, sucos, sobremesas e sorvetes. Ela também acompanha bem carnes - mas atenção: nada de colocá-la no forno! - e vai muito bem em molhos.


Manjericão

Dicas: Uma das ervas mais perfumadas que existem, o manjericão pode ser usado por inteiro na cozinha - até as flores branquinhas que nascem. Uma dica importante é sempre podar essas flores, para incentivar o crescimento do manjericão. Quando colher as folhas, prefira retirar as mais altas dos galhos. A planta gosta de sol e aceita muito bem viver em uma varanda.

Uso na cozinha: Manjericão vai muito bem em saladas e molhos vermelhos, além de peixes e frutos do mar.


Capuchinha

Dicas: É uma das flores comestíveis que mais se popularizou. Rica em Vitamina C, é fácil de ser plantada: propaga-se por estaca, então basta separar um pedacinho da planta e colocá-la na terra. É uma erva que gosta muito de água e tem um aroma forte e cítrico e é bem picante.

Uso na cozinha: A capuchinha pode ir em saladas, em sopas e até ser picadinha para incrementar o purê de batatas. Também é um bom enfeite para dar aos pratos uma apresentação bem bonita.


Tomilho

Dicas: O tomilho é de fácil cultivo. Não precisa de regas constantes e aceita bem qualquer solo. A semente, contudo, é difícil de ser germinada - prefira comprar uma muda pronta.

Uso na cozinha: Semelhante ao uso do alecrim, vai bem em carnes e até em legumes assados.


Coentro

Dicas: No Brasil, é mais utilizado mais no nordeste e norte. E é possível usar a planta toda, desde a raiz até as flores. Não é exigente em relação à terra e não precisa de muita água (regá-lo três vezes por semana é suficiente).

Uso na cozinha: O coentro é essencial para fazer um bom curry. Vai bem em peixe, carnes, ensopados, saladas, cozidos… “Eu uso em tudo, desde caldos e peixadas até finalizações, passando pelo pesto de coentro, que eu adoro”, diz Cafira Foz.

Fique por dentro

Siga o Guia MICHELIN nas redes sociais para atualizações e curiosidades.